Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O sopro mágico das palavras

O sopro mágico das palavras

Ana Cristina Gomes em 24.05.20

Manhã de domingo...

Já tinha saudades de uma torrada com aroma a jardim. Já tinha saudades de um galão que arrefece em liberdade. Já tinha saudades de estar assim numa esplanada quando os pássaros acordam (...)
Ana Cristina Gomes em 20.05.20

Dias....

Olho para a natureza e na sua simplicidade tento encontrar essa luz que a sombra dos dias parece tantas vezes ofuscar. Tantas ocasiões em que sinto que os dias têm um aroma a melancolia. (...)
Ana Cristina Gomes em 13.05.20

Fátima

Uma imagem tão simbólica do que vivemos. O Santuário de Fátima. Vazio. A procissão das velas na noite de 12 de maio. Sem peregrinos. Sem velas de esperança acesas. A solidão partilhada. (...)
Ana Cristina Gomes em 12.05.20

#bom dia

Beijar a sombra quando nos recolhemos não é ser fraco, é ter coragem para um novo renascer 🌷🌦️💖🙏
Ana Cristina Gomes em 05.05.20

O mundo ficou grande...

De repente o mundo tornou-se demasiado grande. As distâncias físicas são tantas e demasiadas. Nunca fui muito de abraços, mas sinto falta de abraçar rostos. De ter olhos a aconchegarem-me (...)
Ana Cristina Gomes em 22.05.20

Largar e ir

Ontem larguei tudo e fui. Nem fechei o computador, ele ficou sossegado à minha espera, enquanto eu ia em passos apressados apenas para ter um vislumbre de ti. Recordei os impulsos dessa (...)
Ana Cristina Gomes em 19.05.20

O respeito no chão.....

Continuamos a não amar a nossa terra mãe. Continuamos a não respeitar a natureza. Continuam tantos de nós cegos de si mesmos que perderam o respeito por si, pelos outros e pela única casa (...)
Ana Cristina Gomes em 13.05.20

Acordei....

Acordei numa chuva de saudades que me transborda o rio da alma. Acordei com a cantoria dos meus pensamentos enclausurados num capuz. Acordei com as flores a beijarem a minha sombra. Acordei com (...)
Ana Cristina Gomes em 10.05.20

Caminhos tristes

Às vezes sinto como se as ruas me tivessem morrido porque não te vejo nelas. Como se a vida que nelas existia estivesse perdida algures e ao encontrar-te iria recuperar essa vida (...)