Quarta-feira, 28 de Novembro de 2018

Gastar o teu rosto!

Às vezes pergunto-me se um dia o meu pensamento não irá gastar demasiado o teu rosto. Torná-lo disforme. Imperfeito. Porque o teu rosto cegou os meus olhos. Que só a ti te veem. Todos aqueles dias em que te vejo em todos os outros rostos à procura do teu. Naquelas tardes em que o meu pensamento só te vê a ti sem estares ali. Estarei eu a gastar o teu rosto? Por viveres no meu pensamento. E olhar para ti de olhos fechados como se estivesses mesmo ali. Como se estivesse a ficar louca!

E, depois, naquelas outras tardes escuras de reflexos iluminados pelos candeeiros de rua. Quando os nossos olhos se tocam volto a decorar cada traço, cada ruga, cada sorriso, cada gesto teu para ter sempre o esboço do teu rosto dentro de mim.

Porque tenho medo de gastar o teu rosto só porque penso em ti. E tenho de o desenhar um infinito de vezes para que nunca se apague de mim e me lembre porque a alma do teu olhar te pincelou assim tão bonito!

Imagem : Internet

mitchell-hollander-282004-unsplash.jpg

publicado por Ana Cristina Gomes às 23:53

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 26 de Novembro de 2018

Debbie Macomber "O Brilho das Estrelas"

Novembro a terminar o calendário, o frio já se faz sentir no quente dos gorros matinais, a árvore de natal já enfeita nas decorações da casa e as ruas já estão vestidas a rigor para receber mais um natal. Seguindo uma recente minha tradição, ler histórias de natal ou que se relacionem com a época, seja apenas o inverno, foi tempo de inaugurar as leituras natalícias. Este ano comecei por Debbie Macomber e “O Brilho das Estrelas”, uma autora ainda desconhecida para mim mas que uma daquelas promoções me fez descobri-la. E como gostei de conhecer a sua escrita doce e suave.

Encontramos Carrie Slayton, uma jovem jornalista da coluna social de um importante jornal mas que se encontra saturada e desmotivada do tipo de artigos que escreve. Para que possa mudar a sua área no jornal, o diretor lança-lhe o desafio de conseguir uma entrevista com Finn Dalton, autor de um bestseller, que há meses se encontra no top de venda. Mas Finn é um solitário que não se deixa entrevistar (talvez por isso o título do seu livro seja “Sozinho”). Carrie aceita o desafio pois não tem nada a perder. Determinada e persistente vai à descoberta de Finn que vive num local inóspito e selvagem do Alasca.

Depois de inúmeras peripécias, Carrie encontra Finn, um homem de sentimentos fortes e intensos, magoado pela mãe que o abandonou, causando nele uma mágoa profunda para com as mulheres. A barreira que ele criou à sua volta, Carrie com a sua personalidade aos poucos vai derrubando esse muro à volta de Finn. Como quando observam a aurora boreal do Alasca, uma descrição magnífica e espantosa que nos deixa a todos com vontade de conhecer esta região. Cenários árticos deslumbrantes, uma beleza gelada e hipnotizante. Um local onde as estrelas brilham e iluminam uma cabana no meio da neve, o cenário romântico desta história.

Mas depois da partida de Carrie, com ou sem entrevista, ambos percebem que ali nasceu algo muito forte e profundo como eles o são. O assumir o que sentem. A conquista mútua. A luta para ficarem juntos. Avanços e recuos. O dar e ceder.

Uma história de amor. De esperança. De acreditar. E sobretudo, uma história que nos diz que nunca mas nunca devemos fechar o nosso coração por maior que seja a mágoa que nele vive.

Um livro ideal para esta época natalícia que se lê assim, um ápice, enquanto se bebe um delicioso chocolate quente a acompanhar!

46492175_10156082103798565_8597988325694898176_n.j

publicado por Ana Cristina Gomes às 23:43

link do post | comentar | favorito
Sábado, 24 de Novembro de 2018

Chuva!

Uma tarde escura que parecia noite. O céu negro. As nuvens aconchegadas umas nas outras. Que escondiam o dia. Ainda não se sentia o aroma a jantar no baloiçar do vento. Ainda os pratos do lanche se ouviam nos cafés.

Chovia suavemente. Para de repente chover copiosamente. No regresso a casa. Abriguei-me da chuva. Vê-la cair na estrada no reflexo da luz dos candeeiros de rua. Numa entoação sincronizada de ping ping.  

E assim num repentino de repente, tu. Nesses teus passos que a minha alma ouve ao longe. O teu rosto a passar veloz por mim. Sem me veres. Bonito. Cada dia mais bonito. Como se naquele troço de estrada onde há segundos a chuva caia a potes, a chuva parasse para que eu te pudesse ver. Assim, bonito.

Porque naquele segundo a chuva conseguiu tornar-te ainda mais naquele encanto cintilante que és. E mesmo sem me veres, senti esse sorriso teu!  

Imagem : Internet

erik-witsoe-630944-unsplash.jpg

publicado por Ana Cristina Gomes às 20:43

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 23 de Novembro de 2018

Um outono de fim de ciclos

A lua bem cheia alta no céu numa luz demasiado brilhante que rasga este dia demasiado sombrio. O teu sorriso ali sem saber que por dentro a alma doía. E sorriste. E voltei a controlar as lágrimas neste dia que foi. Mas não podia chorar ali. No meio da multidão. E era o que mais precisava. Chorar.

As gotas de chuva que por segundos escorrem pelo meu rosto. As folhas que pingam. Uma folha que cai. Um outono de fim de ciclos. Ficamos com as memórias que quais troncos ficarão ali para sempre na amizade que não termina neste fim de ciclo. Vamos plantar novas sementes para novas primaveras.  

Há uma ferida aberta que vai demorar tempo a sarar. Novos hábitos que jamais substituirão os que ficam para trás. Novos encontros para rirmos daquilo que um dia fomos. As nossas histórias.

Às vezes a vida pode fazer umas belas sestas, mas não estava a dormir quando os nossos passos se cruzaram há quase uma década. E que vão continuar a cruzar-se.

Há uma gratidão imensa no meu coração por me teres ajudado a crescer. Por tanto que me ensinaste. Por tudo o que aprendi neste ciclo de companheirismo e amizade que não serão apagados pelo tempo.

Os nossos momentos ficam. E sei que vamos ter muitos mais momentos que vão ficar.

Imagem : Internet

noah-silliman-136622-unsplash.jpg

 

publicado por Ana Cristina Gomes às 23:05

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 21 de Novembro de 2018

Tardes Malditas!

Que tardes malditas estas que não te deixam abeirar de mim, enquanto a minha alma esmorece numa fraqueza de quem vê o desconhecido do amanhã se tornar uma incógnita ainda maior. A incerteza constante.  A dúvida.

Que tardes malditas estas sem o teu rosto para sentir o meu coração morrer mais um pouco enquanto respira a vida que és. Como desfaleço a cada final de dia nestas estradas cruzadas que descruzam os nossos passos.  

Tardes negras, escuras e obscuras de dias sombrios que carregam a escuridão dentro de nós. Uma nuvem tingida de escuridão que não nos larga. A mim e a eles.

E agora, nestas tardes malditas, quando posso fraquejar sem que os outros vejam. Quando posso deixar que a tristeza da alma transpareça no olhar. Porque a força também se vai esgotando quando tens de partilhar essa força com eles neste sorriso cúmplice que não se pode desfazer. E nessas tardes malditas em que os joelhos tremem, não estás lá. Nos mesmos lugares. Nas mesmas horas. Apenas para inspirar a doçura do teu sorriso e seguir. Dormir. Sem chorar a dor porque estaria a recordar cada traço teu. Uma e outra vez. Como faço quando paro e olho para a tua foto. Para sentir que um dia há demasiado tempo atrás quando ainda não eramos o que somos hoje, escolhi amar-te e carregar a mágoa desta nossa perda dentro de mim. E querer ver-te é querer sentir que o meu coração ainda bate no meio destas tardes malditas. Que ainda está vivo.

Não escolhi a tristeza que hoje me assola. Um desapego forçado. Fulminante. Um medo que tenho de enfrentar e do qual tanto fugia. Mas a tua alma consigo enfrenta-la porque me conforta a dor. Mas não tens estado ali. Lá. Quando espero por ti.

Nestas tardes malditas que me despedaçam a vida, essa saudade que sinto de ti torna o bater do relógio na tortura de lágrimas que não se escondem da solidão da noite. Quando ninguém nos vê, a mim, à dor, à tristeza, às minhas lágrimas-tuas.

Porque nestas tardes malditas, o teu olá seria a minha esperança no amanhã.  

Imagem : Internet

sasha-freemind-186664.jpg

publicado por Ana Cristina Gomes às 23:06

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 16 de Novembro de 2018

Mário Zambujal "À noite logo se vê"

Perdi no tempo, quanto tempo teria passado desde a primeira e única vez que li Mário de Zambujal no meu 7º ou 9º ano, há mais de 20 anos quando “A Crónica dos Bons Malandros”, era leitura obrigatória do plano nacional. Demasiado tempo passou e na altura não me marcou que esqueci o que li e o que tinha sentido.

Agora com “ À noite logo se vê” (mas datado de 1986) um livro de leitura fácil, uma escrita humorística. A agilidade do humor no relato hilariante das andanças de Mino, investigador do sobrenatural, na procura de explicações para acontecimentos extraordinários. De passagem, vai-se detendo em não menos fascinantes episódios da vida terrena, como a viagem do narrador e sua namorada, Natinha, numa noite de denso nevoeiro; a ascensão social de um homem de sete ofícios incompreendido pela cara-metade; a estratégia de Quinzinho Pontual na sua ambição de matar o tempo; a odisseia do pugilista gordo em vésperas de combate; o único descuido do velho repórter especializado em notícias de desastres; o inquietante mistério de Roseiral.  

Uma fantasia entre o limbo do mundo real e do mundo da fantasia. Mas que não me prendeu. Um enredo que não me cativou. Um ritmo agitado e disperso que me impedia de concentrar na leitura.

Sem dúvida que Mário Zambujal é um escritor de referência neste nosso Portugal, mas confesso que os apenas dois livros seus que li até hoje, não favorecem a que tenha vontade de ler outros mais. Ou então ainda não escolhi o livro certo!

Talvez rir do insólito da vida do comum dos mortais possa ser o antídoto perfeito para os dias de chuva que aí vêm. Um autor que recorre à comicidade da desgraça do quotidiano. Infelizmente comigo não resulta.

Fica registado que conheço a escrita deste autor e na qual muito se aprende mas não consigo mesmo dizer, gosto tanto!

46179897_10156069886383565_326399720446492672_n.jp

publicado por Ana Cristina Gomes às 23:27

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 13 de Novembro de 2018

Patricia Posner "O Farmacêutico de Auschwitz"

Mais uma daquelas leituras de descrições tenebrosas do que aconteceu no campo de concentração de Auschwitz-Birkenau. “O Farmacêutico de Auschwitz” é um relato chocante e arrepiante de como os gigantes da indústria farmacêutica alemã apoiaram o regime nazista, fizeram fortunas com as câmaras de gás (o saque dos pertences dos prisoneiros que levavam consigo ouro e joias sem saber que iam ser despojados dos seus bens) e usaram cobaias em experiências macabras, muitas que possivelmente deram origem a muitos dos medicamentos que hoje usamos.

Patricia Posner relata-nos de forma fria e cruel uma faceta ainda do pouco que possa existir para ser conhecido do campo da morte que foi Auschwitz. Como farmacêuticos, médicos e enfermeiros se renderam ao horror da ciência de Hitler, responsável pela morte de milhões de vítimas. Victor Capesius é um farmacêutico de um desses gigantes da indústria farmacêutica e como a sua ida para Auschwitz vai torna-lo num cúmplice ativo no extermínio dos judeus. Como o seu papel foi determinante na morte de milhões de inocentes.

Um livro que resulta de uma minuciosa e longa investigação sobre a vida deste homem, Victor Capesius, farmacêutico romeno representante da Bayer que, em 1943, aos 35 anos, se juntou a SS nazista e rapidamente se tornou o farmacêutico-chefe de Auschwitz . É nos narrado desde o seu início de vida até entrar em Auschwitz, contando o seu percurso profissional. Baseada em relatos verídicos, a autora confronta-nos inúmeras situações em que desprezamos veemente este homem. Desde estar na seleção que se fazia à entrada do campo de concentração e não sentimentos e enviar conhecidos para as camaras de gás. Não ouvir as súplicas de pessoas que o conheciam antes. O saque dos dentes de ouro dos exterminados. O ser portador da chave que dava acesso ao gás para as malditas câmaras de gás.

Acordamos e relembramos a realidade do pós-guerra com os julgamentos dos nazis, mas que em tantos e tantos casos não foi feita a devida justiça perante tamanha atrocidade que foi feita naquele período. Exemplo disso é Victor Capesius, que embora tenha estado preso, não foi punido como devia ter sido por todas as mortes que provocou. Nem que seja para exemplo das gerações futuras para que fique perpetuado nessas sentenças este período vergonhoso da nossa história.

Um relato de um homem que passou a viver a fingir que não foi parte ativa da morte de inocentes. Uma fuga à consciência. Uma fuga que todos nós devemos evitar porque relatos assim têm de ser lidos para que nos lembremos do foi aquele campo de concentração e para que nunca mais nenhum suspiro de vida seja silenciado num campo da morte como este o foi.

45663964_10156059533363565_8741254119563460608_n.j

publicado por Ana Cristina Gomes às 22:43

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 12 de Novembro de 2018

Tardes Malditas!

Naquela sexta-feira lembrei-me de ti. Odiei ainda mais aquela tarde maldita por não estares ali apenas para te ver. Estares a tão poucos passos de distância e a desorientação da mente não me deixou desviar ao teu encontro. Naquele momento a alma doía-me. Cegava-me a raiva. E apenas te queria ver. Porque os olhos do teu coração saberiam acalmar-me. Precisava de voltar a morrer nesse teu sorriso para me acordar do pesadelo.

Deitei-me na almofada da tristeza. E mais uma vez lembrei-me de ti. Voltei a odiar estes fins de tarde outonais que te levaram para outros caminhos. Porque se apenas posso olhar para ti, então que os dias me deixem apenas olhar para ti. Os minutos preferidos da vida são simplesmente esses, o de olhar para ti.

E depois daquela sexta-feira de tarde maldita precisava desse teu olhar-vida.

Dormi. A tua alma veio visitar-me. Senti-te a dar-me a mão. Tão suave. O toque que ficou. Demasiado real para ser um mero sonho. Senti o teu olhar em mim. Acordei. O silêncio da chuva. O cobertor. Apenas eu. Olhava e vi o teu olhar. Sentia o teu toque.

Acordava e adormecia nesse olhar. Nesse toque. Escrevo e ainda o sinto. A ti. O roçar de dedos.

Diz-me numa dessas tardes que não sejam tardes malditas que também te lembras de quando as nossas almas se encontram nos nossos sonhos.

Imagem : Internet

felix-mittermeier-1062161-unsplash.jpg

publicado por Ana Cristina Gomes às 09:22

link do post | comentar | favorito (2)
Domingo, 11 de Novembro de 2018

Caminhos!

Uma aparente serenidade. Um caminho. Um rio cujas as emoções estão envoltas em raiva. Em tristeza. Em dor.
Há um passado que fica para trás. Um passado em que os nossos caminhos se cruzaram e que tanto me fizeram crescer. E hoje esse caminho desviou-vos de uma forma bruta e inesperada deste meu caminho. Com lágrimas.
Há um futuro à nossa frente, de passos e estradas diferentes, mas há um amor, um carinho imenso que nunca será passado. Uma parte de quem hoje sou, sou porque fui uma abençoada por vos ter a ensinar-me a crescer.
Porque no dia em que entraram na minha vida dela nunca mais sairão mesmo que os nossos dias não voltem a ser como ontem o eram.
Porque as nossas histórias serão sempre apenas nossas.
E voltaremos a ter mais histórias só nossas! Nestes nossos caminhos!

46099019_10156063080163565_1665737816610439168_n.j

 

publicado por Ana Cristina Gomes às 19:06

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 8 de Novembro de 2018

Sombra-Luz!

Serás sempre a sombra que mais ilumina o caminho dos meus passos. És a minha sombra-luz pela qual o meu coração espreita. O amor que é sombra em nós. Uma luz, um raio de vida, um sopro de sol que me faz caminhar sem desistir de mim porque não vais estar ali ao meu lado para amparar o tropeção de amar-te a ti e à tua alma e apenas o nosso olhar poder conversar nas escuras tardes de outono.

Serás sempre aquela sombra-luz luminosa que pinta as mais belas palavras na tela que sou. Preciso de olhar para ti. Na escuridão da noite. Para saber que és tu que me escreves a alma.  

És sombra. És luz. És tu e apenas tu! 

Imagem : Internet

priscilla-du-preez-181395-unsplash.jpg

publicado por Ana Cristina Gomes às 23:25

link do post | comentar | favorito (1)

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Jacquelyn Mitchard "Um Na...

. Um pensamento meu!

. Um pensamento meu!

. Agatha Christie "O Natal ...

. Olá meu querido dezembro!...

. Gastar o teu rosto!

. Debbie Macomber "O Brilho...

. Chuva!

. Um outono de fim de ciclo...

. Tardes Malditas!

.arquivos

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

.tags

. todas as tags

.favorito

. Será pedir muito?

blogs SAPO

.subscrever feeds