Sexta-feira, 27 de Dezembro de 2019

Trisha Ashley "Um Desejo por uma Estrela"

Chega dezembro. Chega o mês do Natal. Chega, assim, o mês para uma ou mais (se for possível) leituras de Natal. Este livro já estava na minha estante há mesmo muitos meses (talvez desde o início do ano) por isso, quando o calendário entrou no mês doze, “Um desejo por uma estrela” de Trisha Ashley foi a minha imediata escolha, pois a primeira vez que li esta autora também foi na altura do Natal com “Noite de Reis” que transpira o espírito da quadra natalícia por todas as páginas

Uma capa que nos remete para o Natal, a antevisão de um leve romance natalício (às vezes também é preciso ter umas leituras para descomprimir). Mas acho que assim que comecei a ler sabia que haveria algo bem mais emocionante que um mero romance de Natal. Somos apresentados a Cally, uma mãe solteira, cuja sua menina Stella, que nos vai apaixonar durante todo o livro, sofre de uma doença cardíaca e precisa de ser operada em Boston, sendo que o cenário da nossa história é Londres e a aldeia de Sticklepond.

Conhecemos a história de Cally e Stella até ao momento em que, para mim, o romance verdadeiramente se inicia. Para angariar dinheiro para a intervenção demasiado dispendiosa, Cally vende a sua casa e muda-se para a aldeia da mãe. Nesse local vai decorrer toda a história. Vamos adorar Stella, uma personagem encantadora, uma criança extremamente inteligente, meiga, bem-humorada, e com falas muito divertidas que nem parecem ser ditas por uma criança tão pequena. Que conversas deliciosas essas com que Stella nos brinda ao longo do livro.

Uma história que nos transporta para o ambiente de aldeia onde todos se conhecem e onde o espírito de comunidade faz parte da gente que são. Ambientes emocionais que nos comovem.

A união de todas as pessoas da aldeia para conseguirem o dinheiro para a viagem e operação. Ali está o verdadeiro espírito natalício. A dádiva, a entreajuda.

Também vamos encontrar com Jago, um pasteleiro cuja sua simplicidade e ingenuidade é cativante. Entre Jago e Cally vai nascer algo muito forte que se sente nas palavras da autora e que a doença de Stella vai tornar o que sentem ainda mais sólida. Um amor sincero, de ajuda e partilha.  Um amor sem pressas no seu tempo de acontecer.

Não posso deixar de referir que Cally é autora de livros de receitas e escreve para diversas revistas especializadas. Nós, leitores, seremos brindados com muitas das receitas que vai partilhando ao longo no livro no seu dia-a-dia. E no final do livro teremos algumas receitas completas (desculpem ser spoiler!).

Um livro que pode ter algumas falhas com momentos que arrastam a história ou os ex de Cally e Jago que pouco ou nada acrescentam à história, mas que são compensados por personagens secundárias que são absolutamente maravilhosas que nos dão lições de humildade e generosidade.

A leitura perfeita para dias frios e chuvosos, mas é melhor não ter muita doçaria por perto porque a tentação de comer vai ser mais que muita só de lermos as descrições do que Cally está a cozinhar. Acho que até as palavras nos engordam os sentidos.

Um livro que recomendo porque reflete aquilo que verdadeiramente o Natal deveria ser!

78908837_10156940268088565_6898763447941464064_o.j

publicado por Ana Cristina Gomes às 21:04

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 9 de Dezembro de 2019

O teu olhar-luz!

Trago do fim de semana que já foi a luz dos teus olhos. Um mero segundo de tempo que agarro a mim para aguentar os dias que chegam.
Os teus olhos ali quando o sol cresce alto no céu. Ver como te brilha esse mel-outono que te pinta os olhos. Longe dessa fronteira entre o dia que já não é e a noite que ainda se apronta para nos dormir. Esse limbo de tempo quando o tempo me deixa a alma sentir-te. Porque os olhos estão embrenhados na escuridão do inverno. Na qual te entranhas e eu me perco de mim porque vais e eu sigo na direção oposta do gps do meu coração.
A luz, que trazes nessa profundidade do teu olhar que nem as olheiras disfarçam, caminha no abismo das minhas sombras. Sombras que vêm dançar comigo. Para não ter medo delas. São minhas e minhas serão. E essa luz que vi nos teus olhos ilumina os meus medos. Para os afugentar de mim porque os medos me atrofiam os sonhos. E eu ainda preciso de sonhar-te para me sonhar a mim. Os teus olhos que me adormecem na memória que fica. Que destrói os meus pesadelos.
Trago do fim de semana o segundo dos teus olhos mel-outono em mim. A luz que vi em ti vou perseguir em mim porque os teus olhos refletem a luz que tenho e que às vezes não sei onde está. E tu obrigas-me a ir à procura da luz minha. Podes ficar por perto enquanto não brilhar naquilo que realmente sou?!

Imagem : Internet

79366062_10156959253453565_2690008575207538688_o.j

publicado por Ana Cristina Gomes às 09:25

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 5 de Dezembro de 2019

Dás-me vontade de chorar

Dás-me vontade de chorar. Nada me fizeste para tal. Há um tratado de respeito entre as nossas almas que não nos fazem desviar da integridade dos nossos corpos.
Os nossos olhos continuam a conversar naquele nosso silêncio que só nós conhecemos. No entanto algo mudou. E isso que nos mudou faz-me pintar o rosto de lágrimas.
Encosto-me nessa janela da vida que nos corre. O ar da noite congela-me o meu respirar. Mas essas lágrimas choram-me na alma qual rio turbulento ansioso por desaguar no mar onde posso nadar numa liberdade de ser feliz que há tanto me escapa ao coração.
Talvez esta vontade que tenho de chorar. De te chorar. Seja esta minha ferida que precisa de chorar para se limpar. Talvez a ferida que trago tenha memórias tuas. E as memórias precisam de se libertar e voar.
Dás-me vontade de chorar. Não para curar a ferida. Mas para saber tê-la dentro de mim. Para a acalmar. Falar com a minha ferida como a tua alma me sussurra dói. Para aprender a minha ferida tenho de conhecer o seu abismo. E tu trouxeste-me a ferida para me tornar mais forte.
Dás-me vontade de chorar. Chorar não é fraqueza. É assumir quem sou e o que sinto.

Imagem : Internet

78554971_10156948338708565_6735774524299542528_o.j

publicado por Ana Cristina Gomes às 09:21

link do post | comentar | favorito (1)

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. A noite cai nos teus ombr...

. Manhã!

. O dormir da princesa dos ...

. Dispersão!

. Essa princesa dos caracói...

. O outro tu...

. O quintal da minha avó!

. Assim te vejo eu!

. Tantas noites....

. Exaustão!

.arquivos

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

.tags

. todas as tags

.favorito

. Será pedir muito?

blogs SAPO

.subscrever feeds