Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O sopro mágico das palavras

O sopro mágico das palavras

Tantas noites....

Tantas as noites em que a solidão me viola os sentidos. Que me aprisiona aos lençóis frios de amor. Que me desperta os pesadelos.
Tantas noites em que a solidão me grita aos ouvidos. O uivar do medo.
As feridas que sangram a alma.
Tantas as noites em que a solidão são lágrimas de um vazio que é o esvanecer do meu coração.
Tantas as noites em que a solidão é o tudo que tenho do nada que as minhas mãos agarram.

Imagem : Internet

83019223_10157085291888565_1131475577551716352_o.j

Exaustão!

Às vezes há uma exaustão que me derruba. Uma solidão que me rouba a esperança em dias felizes. Os pesadelos do cansaço que o coração carrega.
Sinto-me exausta como se os teus olhos me quebrassem as minhas defesas. Aqueles olhares nossos que deixam a minha ferida a descoberto. Vulnerável. E sem te poder abraçar. Os meus braços vazios de amor.
Sinto-me exausta como se o teu rosto me ajoalhasse as minhas pernas na estrada que fere a minha pele. O negro do alcatrão que se espalha no meu sangue. A escuridão nos meus dias. O amor que me cega os sentidos. O amor por ti que me pode acordar para a vida. Só o amor pode desfazer esta minha exaustão que se instalou no meu corpo. Uma exaustão que desmaia o meu coração e a minha alma. E me deixa assim de sonhos perdidos.

Imagem : Internet

82997261_10157089954513565_6903762300247736320_o.j

A tua mão!

Era uma noite chuvosa. A semana que arrancava no relógio. Aquelas noites de inverno. Demasiado escuras.
A tua mão tão nítida nos meus olhos. Ali tão perto de mim. A dedos de um toque que não existe.
Sentir assim a tua mão a percorrer a minha alma quando os teus dedos dançam. E os teus olhos viajam nos teus pensamentos. Mas olhas. Eu também fujo contigo nessa dança silenciosa das tuas mãos. Até a um tempo onde essas mãos deslizaram pelo meu corpo. Lembranças perdidas que me arrepiam o estômago. De tão reais que parecem. Meros metros que nos separam ali e aqui. E continuo a sentir a tua mão dentro de mim. A envolver-me o peito de desejo. No entanto continuamos ali parados, tu nessa dança de mãos e eu nesta dança de palavras que te eternizam no meu caminho. Olhamos para continuar a aprender o que temos a aprender neste reencontro tão atípico. Que os corpos não entendem.
Deixo as tuas mãos seguirem embrenhando-se na noite. Os meus pés tomam outra direção. Levo em mim a tua mão que me arde a ferida e me incendia o coração nessa dança que só as nossas almas sabem dançar.

Imagem : Internet

83831224_10157097479063565_3699673142168387584_o.j

#opinião# Haruki Murakami "Sputnik, Meu Amor"

Apenas foram precisos momentos de três dias e esta minha primeira leitura de 2020 voou num ápice. O tempo de espera entre comboios, autocarros e metro, onde às vezes quase que perdia a estação de saída. As manhãs e os fins de tarde. O suficiente para Murakami em “Sputnik, meu amor” me agarrar tão violentamente que me esmaga nas emoções turbulentas que as suas palavras deixam na sua passagem.

Apenas três personagens principais, Sumirem que aos 22 anos se apaixona pela primeira vez por Miú, uma mulher mais velha e misteriosa, e K., como se apelida o narrador, um jovem professor primário e que é apaixonado por Sumire. Assim, temos o nosso triângulo amoroso. Murakami não é assim tão convencional que possamos já prever o que irá acontecer. São todas personagens solitárias numa solidão que lhes é querida. Uma solidão constante nos livros deste autor.

Digamos, que também eu me apaixonei por estas personagens. Pela sua paixão. Pelo amor não correspondido. Pela solidão.

Quando tudo parece tão real, eis que surge o surreal na história. O outro lado, o eu estar aqui e estar ao mesmo tempo do outro lado. Vermos esse eu nesse outro lado. Metamorfoses. Tão estranho e fantástico. Mas ao mesmo o tempo, que nos deixa a pensar sobre o simbolismo desse outro lado.

Embora tenhamos direito a descrições fabulosas das ilhas gregas onde se passará uma parte da história, as descrições emocionais são tão mais fortes. Escrever almas e corações é tão profundo. E Sumire queria tanto ser escritora.

Quando nessa viagem com Miu, Sumire desaparece misteriosamente, com o desgosto no coração, a vida dos que ficam sofre uma profunda transformação. Mais para pensarmos nesta espécie de ensaio melancólico sobre desejo reprimido, perdas irreversíveis e o inevitável desperdício de vida. Um ensaio que não percebemos bem o seu desfecho. Em que tudo fica no ar. A imagem de marca de Murakami, essa de nos deixar em suspenso.  

É equivalente a esse mesmo desaparecimento de Sumire, e ao fenómeno sentido por Miú catorze anos antes? Que mensagem Murakami nos deixa? A fragmentação da alma? A dualidade do ser? Tudo em aberto.

Pensamentos profundos sobre a vida, sobre a solidão, o amor e a nossa transformação constante. Palavras da mestria deste escritor. Um livro que talvez muitos o considerem estranho mas que nos deixa a vaguear de tão sublime que é. Murakami é aquele escritor que transforma banalidades em magia. E que nos leva em viagens tudo menos normais. Façam essa viagem com Murakami.

Termino com um excerto, que não resisto em partilhar e que muito me marcou:

“ O gelo é frio e as rosas são vermelhas. Estou apaixonada. E este amor vai decerto arrastar-me para longe. A corrente é demasiado forte, não tenho escolha possível. Mas já não posso voltar atrás. Só posso deixar-me ir com a maré. Mesmo que comece a arder, mesmo que desapareça para sempre."

81762629_10157043474913565_8444254532589846528_o.j