Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O sopro mágico das palavras

O sopro mágico das palavras

#opinião# Carlos Ruiz Zafón "Marina"

Este conturbado início de 2019 roubou-me a alma para as minhas leituras. Mas o que é de mim sem os meus livros. Por isso, decidi que tinha de ler um daqueles livros que me iam arrepanhar intensamente os sentidos. Pensei logo em Carlos Ruiz Zafón e nas leituras dele ainda em falta.

E assim “Marina” chegou às minhas manhãs. Numa expetativa de conhecer a escrita do autor antes do soberbo “A Sombra do Vento”. Aquela escrita arrebatadora que mal nos deixa respirar e digo desde já, que Zafón neste livro já demonstra tão bem essa feitiçaria que tem para com as palavras.

Como palco a cidade de Barcelona, a cidade da neblina, do seu nevoeiro, a história decorre entre setembro de 1979 e maio de 1980 e depois em 1995 quando Óscar, o protagonista, recorda a força arrebatadora do primeiro amor e as aventuras com Marina, recuperando as anotações do seu diário pessoal e revisita os locais das recordações da juventude.

Óscar Drai é, em 1980, um adolescente que vive num internato em Barcelona e que adora vaguear pelas ruas de Barcelona na ilusória liberdade que estas aparentam dar-lhe. É na zona de Sarriá, repleta de antigas mansões senhoriais, várias delas em ruínas, que naqueles acasos, conhece Marina, o seu amor e o pai de Marina, Germán. Ali naqueles meses vê-se uma amizade cimentar-se que não se alicerça pelo final de “Marina” (lanço a dúvida, final do dia ou da personagem?).

Uma visita da juventude ao sepulto da morte, o cemitério de Sarriá na procura de aventura, vai cruzá-los com uma misteriosa mulher de capuz. É o início do desenterrar de vários segredos antigos que leva Óscar e Marina a encontraram-se no meio de uma história com personagens pouco convencionais, sombrios. Relatos de terror numa ficção científica de descrições. Resumir é difícil, há que ler. Conhecer Shelly, Kolvenick, Eva Irinova , apenas para destacar estas personagens no meio de algumas outras tantas que fazem parte de um todo que se emaranha nos fios que tecem entre si.

“Marina” é um romance mágico de memórias, escrito numa prosa melodicamente poética, assente numa mistura de géneros literários (entre o romance de aventuras e os contos góticos) e onde o passado e o presente se fundem de forma inigualável.

Classificado pela crítica como “macabro, fantástico e simultaneamente arrebatador”, “Marina” é uma reflexão sobre os mistérios da condição humana através do relato alternado de três histórias de amor e morte. Histórias que se entranham umas nas outras e que nos agarram às folhas deste livro.

Um livro que recomendo e decerto ficarão como eu a devorar cada frase mesmo que já chegue a hora de deitar!

E termino com esta frase que fica cravada em mim!

“Marina disse-me uma vez que apenas recordamos o que nunca aconteceu. Passaria uma eternidade antes que compreendesse aquelas palavras.”

54516724_10156316578383565_2542217693990223872_n.j