Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O sopro mágico das palavras

O sopro mágico das palavras

Dia da Primavera e de ser feliz

bigstock-224132239-1-1024x682.jpg

Eram 9h37 quando a primavera chegou. A aragem era fresca como se o inverno não nos quisesse deslargar. O céu estava tão limpo com os raios do sol a romper a atmosfera para nos abraçar. Num desconfinamento ainda confinado, os pés não podem caminhar longe, mas procurei o verde da zona. As árvores e as flores citadinas que me encantam no meio de tantos prédios e estradas.
É um sábado especial. Com a primavera inicia-se um novo ciclo astrológico, com a entrada do sol no signo de carneiro. O verdadeiro ano começa agora. Hoje sim é dia de festejar a vida, e não naquele 31 de dezembro. Deixamos o cinzento do inverno das sombras. Tempo de integrar todos os processos vividos. Simbolicamente o nosso inverno foi pautado por um recolhimento obrigatório que devíamos ter aproveitado para fazer uma grande viagem interna dentro de nós. Conhecer quem somos. Começa o período de semear sonhos, projectos e desejos. Sermos a semente de nós mesmos. De criarmos o nosso caminho numa fidelidade à nossa essência. Façamos com a energia de fogo e de ação que agora nos rege.
Talvez por começarmos hoje um novo ciclo astrológico com o equinócio da primavera, diz-se que é o dia mundial da felicidade. Muitos de nós perguntamos o que é ser feliz? Resposta difícil quando procuramos a felicidade nos outros. Ser feliz começa dentro do nosso coração quando se enche de amor. Ser feliz não é quando nos acontece algo grandioso. Ser feliz tem de ser uma rotina. Um estado de espírito. Está nas mais singelas coisas, nos pequenos momentos, nos gestos disfarçados. Olhar a vida com todo o seu esplendor. Tanto se pode dizer disto da felicidade. O mais importante é que ela começa em nós. Se estivermos dependentes dos outros, nunca saberemos o que realmente nos faz sentir feliz.
Hoje, este dia extraordinário que o universo nos presenteia. Aquelas coincidências que nunca o são. Porque têm sempre um sentido de existirem. Tu. Um vislumbre desse rosto com máscara. Um ténue timbre da tua voz. Um desfilar desse teu corpo mais que perfeito. A tua mão que penteia o teu cabelo como se fosse possível seres ainda mais bonito.
Ver-te é sempre uma luz em mim mesmo quando vem com os demónios a dançar à sua volta. Aprendi nos teus olhos de amor a ver o amor dentro de mim. Aprendi em ti que dependo de mim para ser feliz e tão pouco me importam o que os outros pensem. Ser livre como sou seja isso o que for, mas sou eu.
Tem acontecido um renascer em mim desde a tarde em que a tua alma me bateu à porta das emoções. Cresci como ser. Por isso, neste dia que é início, é especial olhar para ti que foste uma espécie de começo naquilo que verdadeiramente sou. É especial ver-te neste dia de ser feliz porque a tua alma obrigou-me a olhar a felicidade de estar simplesmente viva só para te poder ver.
Há tanto de doce neste dia. Um dia de flores. De luz. Da dádiva da natureza. Da gratidão da vida. Do infinito do universo.
Há tanto de ti neste dia, porque és primavera de amor.