Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sopro mágico das palavras

O sopro mágico das palavras

Diana Gabaldon "Um Eco do Passado (livro 7 vol I e II)"

IMG_20210622_194444_189.jpg

Depois de 1243 páginas divididas em dois volumes, ainda  ressoa em mim o livro “Um Eco do Passado”, o sétimo livro de Outlander, esta saga que me viciou todos os sentidos. Como já referi tantas vezes, há algo de inexplicável nesta história. Puxa por nós como as pedras de Craigh Na Dun onde tudo começa.
Seria impossível referir aqui tanto do que se passa nestes volumes, mas vou tentar apontar aquilo mais fez eco em mim.
Claire e Jamie em plena revolução americana do século XVIII e Brianna e Roger a readaptarem-se aos anos 70/80 do século XX, a morarem em Lallybroch e a viverem realidades da época como a luta pela entrada das mulheres no mercado de trabalho. Mas sem nunca perderem contacto através de cartas escritas por Claire e Jamie que perduraram no tempo e chegaram às mãos de Brianna e Roger. São lidas por ordem cronológica com o que se está a passar em pleno século XVIII. O que eu adoro estas cartas!
Nas rotinas de Brianna e Roger, iremos deparar-nos com Rob Cameron, cuja atitude nos faz desconfiar logo no início. E temos razão para isso. Sem ainda percebermos as razões (será somente por ter lido o caderno de Roger com as suas aventuras no passado e referência ao ouro), rapta Jemmy e leva todos a crer que viajaram pelas pedras, o que não aconteceu. Fica no ar o que se passará com Jemmy? Será resgatado em que século? E o que acontecerá com William Buccleigh que também veio parar ao futuro (esse mesmo que foi responsável pelo enforcamento de Roger).
De salientar o excelente e minucioso trabalho de pesquisa que a autora nos traz para estes livros. Batalhas e momentos da história dos Estado Unidos da América descritos como aconteceram. Assim como personagens reais que marcaram este período como Benedict Arnold, general e traidor, Benjamin Franklin ou o Brigadeiro-general Simon Fraser, morto em Saratoga, uma das batalhas muito presentes nestas páginas.
Voltando ao século XVIII, Claire, Jamie e Ian sofrem um atraso no regresso à Escócia, motivo pelo qual estão presentes nestas batalhas históricas. Ian, uma das personagens que me enche o coração, atormentado pelos acontecimentos anteriores e com a perseguição de Archie Bug (que sim , tenta matar pessoas que lhe são queridas) , apaixona-se por Rachel Hunter, irmão de Denzell Hunter, médico (este por sua vez está apaixonado pela sobrinha de John Grey) e ambos quacres, o que pode dificultar o amor entre Ian e Rachel. Sofremos com o ferimento de Rollo, aquele cão já parece da nossa família, já sentia o peso de achar que estava a morrer. Que aperto tão grande senti.
Além de Ian, também William se apaixona por Rachel. William, filho ilegítimo de Jamie adquire maior protagonismo nesta história, que no início é salvo por Ian. Como será que irá reagir quando souber que Rachel e Ian ficam juntos? Mais uma curiosidade que me faz querer pegar nos próximos volumes.
Também Lord John Grey tem maior destaque nestes volumes e ainda bem, pois acho que é uma personagem muito bem conseguida da autora. Sem esperarmos da parte dele (pelo seu historial amoroso…), casa-se com Claire, porque se pensava que Jamie tinha morrido num naufrágio e ela tinha de ser protegida por poder a ser acusada de traição. Efetivamente Jamie e Claire tinham regressado à Escócia, onde revemos Ian Murray e Jenny. Mas o pequeno filho de Fergus e Marsali precisa de uma operação de urgência, à qual Claire acede e retorna à América apenas com o jovem Ian e sem Jamie, que fica a despedir-se do seu querido cunhado em fase terminal.
E como irá reagir Jamie ao saber do casamento de Claire e John? O que se irá passar? Já estou aqui em pulgas para saber mais e mais.
E também como será a relação de William e Jamie, uma vez que no desfecho, William fica a saber a verdade de quem é!
A juntar a isto, ainda há a possibilidade de Fergus ser o herdeiro de uma fortuna em França.
Tanto para acontecer nos dois volumes do livro oito, que nem sei o que faça, se faço uma pausa entre livros para absorver a história ou se passo já para os próximos (os últimos publicados).
E depois de ler tudo o que está publicado, como irei viver sem este vício?!
Outlander é mágico, cujo feitiço nos envolve para sempre!

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.