Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O sopro mágico das palavras

O sopro mágico das palavras

Nunca te esqueças!

Olhas.

Que o teu coração nunca se esqueça que foi ele que me acenou primeiro. Naquela tarde. Que a tua alma não se esqueça que foi ela que me reconheceu no meio de tantos estranhos. Nós os dois ali com as vidas em suspenso enquanto todos se desviam para que tivesses a certeza que era eu ali. Sozinha. As tuas recordações de mim despertaram em ti quando me viste.

Senti aquele abraço tímido da tua alma como se tivesse medo de dizer quem é. Tive que abrir as gavetas do tempo para recordar este amor que vive em mim e que naquela tarde me pediu para voltar a ser lembrado.

Que os teus olhos, quando olham para mim, não se esqueçam que foram eles que me encontraram. Que me reconheceram. Que falaram comigo. Como conversam comigo cada vez que nos cruzamos e tentamos fingir que nos esquecemos um do outro.

Mesmo que a vida nos faça doer e nos separe os nossos corpos, jamais poderemos voltar ao minuto antes do relógio ter marcado a hora do nosso reencontro.

Que nunca te esqueças que foste tu que passaste por mim e o teu silêncio sussurrou-me e me fez estremecer. Que foste tu que me trouxeste a tua solidão para as minhas noites.

Que nunca te sintas esquecido do teu caminho de volta até à vírgula que está em suspenso na nossa história. Olha. Ouve-te e não terás mais esse medo que paralisa os teus passos.  

Que nunca te esqueças que tens os pedaços da minha alma morta enterrada no sangue que escorrega nas veias da tua vida.

Por isso aguardarei o dia em que a tua voz me perguntar se me lembro de ti. E nesse momento direi que nunca me esqueci de ti. Só estava à tua espera!

Olhas.

E que nunca te esqueças de quem eu sou!

Imagem : Internet

teddy-kelley-78869-unsplash.jpg