Quarta-feira, 21 de Novembro de 2018

Tardes Malditas!

Que tardes malditas estas que não te deixam abeirar de mim, enquanto a minha alma esmorece numa fraqueza de quem vê o desconhecido do amanhã se tornar uma incógnita ainda maior. A incerteza constante.  A dúvida.

Que tardes malditas estas sem o teu rosto para sentir o meu coração morrer mais um pouco enquanto respira a vida que és. Como desfaleço a cada final de dia nestas estradas cruzadas que descruzam os nossos passos.  

Tardes negras, escuras e obscuras de dias sombrios que carregam a escuridão dentro de nós. Uma nuvem tingida de escuridão que não nos larga. A mim e a eles.

E agora, nestas tardes malditas, quando posso fraquejar sem que os outros vejam. Quando posso deixar que a tristeza da alma transpareça no olhar. Porque a força também se vai esgotando quando tens de partilhar essa força com eles neste sorriso cúmplice que não se pode desfazer. E nessas tardes malditas em que os joelhos tremem, não estás lá. Nos mesmos lugares. Nas mesmas horas. Apenas para inspirar a doçura do teu sorriso e seguir. Dormir. Sem chorar a dor porque estaria a recordar cada traço teu. Uma e outra vez. Como faço quando paro e olho para a tua foto. Para sentir que um dia há demasiado tempo atrás quando ainda não eramos o que somos hoje, escolhi amar-te e carregar a mágoa desta nossa perda dentro de mim. E querer ver-te é querer sentir que o meu coração ainda bate no meio destas tardes malditas. Que ainda está vivo.

Não escolhi a tristeza que hoje me assola. Um desapego forçado. Fulminante. Um medo que tenho de enfrentar e do qual tanto fugia. Mas a tua alma consigo enfrenta-la porque me conforta a dor. Mas não tens estado ali. Lá. Quando espero por ti.

Nestas tardes malditas que me despedaçam a vida, essa saudade que sinto de ti torna o bater do relógio na tortura de lágrimas que não se escondem da solidão da noite. Quando ninguém nos vê, a mim, à dor, à tristeza, às minhas lágrimas-tuas.

Porque nestas tardes malditas, o teu olá seria a minha esperança no amanhã.  

Imagem : Internet

sasha-freemind-186664.jpg

publicado por Ana Cristina Gomes às 23:06

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Jacquelyn Mitchard "Um Na...

. Um pensamento meu!

. Um pensamento meu!

. Agatha Christie "O Natal ...

. Olá meu querido dezembro!...

. Gastar o teu rosto!

. Debbie Macomber "O Brilho...

. Chuva!

. Um outono de fim de ciclo...

. Tardes Malditas!

.arquivos

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

.tags

. todas as tags

.favorito

. Será pedir muito?

blogs SAPO

.subscrever feeds